Entrevista de Evan Peters para a Cosmopolitan Magazine

O namorado de American Horror Story, Evan Peters que agora está estrelando em um filme chamado Safelight, sobre um garoto do ensino médio (Evan), com paralisia cerebral que embarca numa viagem de estrada com uma jovem prostituta (interpretada por Juno Templo), para ajudá-la a fugir de seu cafetão. O filme se passa nos anos 70, é bastante pesado, mas interessante para apoiar seu namorado de American Horror Story – e um excelente ator, não se esqueça – você deveria assistir. A Cosmopolitan Magazine conversou com Evan sobre porquê o personagem ressoou com ele, o que ele não entende em garotas adolescentes e como você poderia ganhar seu (recentemente solteiro) coração.

COSMOPOLITAN: O filme é tão pesado. Como você lidou com isso entre as tomadas? Você permanece no personagem? Ou tenta esfriar a cabeça?

EVAN PETERS: “E- Eu acho que o mais importante é ficar nele. Obviamente, você tem que se separar de seu personagem, mas é importante deixar o trabalho feito o quanto mais rápido e correto você pode, do que ficar se rachando em piadas. Têm, definitivamente, períodos onde você tem tanto tempo fora disto, que você está disponível para fazer qualquer coisa, comer um sanduíche, sair ou conversar.”

Você tem algum hobby ou coisas que goste de fazer?

“Eu tricotava antes, mas eu desisti daquilo.”

Tricô? Sério?

“Sim. Agora eu só leio ou ouço música, fico pesquisando online, saio e converso com pessoas. Têm tantas pessoas do trabalho interessantes pra se conversar e aprender, então eu estou tentando fazer um pouco disso.”

PHKJJVrVmFAkOT_1_l

O que te instigou a fazer este filme?

“Bem, o esforço físico é uma coisa enorme. Eu senti muito pelo personagem. Meu tio teve uma paralisia cerebral. É difícil, é uma vida bem difícil, mas as pessoas atravessam isso e se empurram para passa por isso e é o bonito disso tudo.”

Nossa, é bem inspirador. Seu tio ainda está vivo?

“Não, ele faleceu.”

Me desculpe. Que homenagem maravilhosa.

“Sim, totalmente.”

Obviamente, você é bem diferente do seu personagem de várias maneiras. Mas há algo daquele Evan adolescente que possa relacionar?

Sim, definitivamente, de ser inseguro e querer namorar uma garota, mas mais de ser muito mais inseguro comigo mesmo até pra falar com ela.”

Sério? 

“Ah sim, com toda certeza. Posso me identificar com isso.”

É interessante saber isso, porque muitas pessoas te veem como uma grande estrela, então é meio difícil de imaginar. As coisas mudaram agora?

“Não, eu continuo aterrorizado. Não sou bom em namorar. É…”

Tá. Então qual o caminho para o seu coração? Como te conquistar?

“Eu não sei. Eu acho que as garotas que me dão uma chance, sabe? Acho que, se eu falar uma coisa errado, ou fizer algo estúpido, se eu me atrapalhar ou jogar algo na sua blusa sem querer, se ela estiver ok com isso. Se ela fica bem e me der uma outra chance pra falar a coisa certa, conseguir superar meu nervosismo e insegurança. Dar uma chance a um cara, essencialmente. Têm muitas garotas que não querem fazer isso. Mas também têm várias que querem e aquelas que são as únicas, àquelas que eu realmente posso ter uma chance. Eu preciso de várias chances do que apenas uma. “

As primeiras impressões não são seu forte? 

“Não muito. Eu sou meio horrível nisso.  Eu sou meio que um gosto adquirido. Eu sou apenas tímido e não sei o que dizer. Eu tenho tanto – é difícil de descrever -, eu fico nervoso pelas coisas que digo, eu não quero ofender ninguém, nem magoar os sentimentos de alguém, ou coisa assim.”

Você é tão na sua cabeça.

“Tão na minha cabeça. Então eu fico meio sem fala, eu não sei o que dizer. Qual meu problema? Eu não sei.”

Acho que muita gente pode se identificar com isso. 

“É verdade, não sou só eu. Têm muitas pessoas assim lá fora.”

É, e têm muitos que também falam o que vêm a cabeça até passar pelo primeiro, segundo, terceiro encontro. 

“É tipo quando você tá tentando dizer algo ou fazer algo e não vem do jeito certo e elas ficam ‘Eu sei o que você tá tentando dizer.’ Tem algo demais nisso. ‘Eu entendi’, ‘Tá tudo bem’.”

Eu entendi o que quis dizer.

 “[Risadas.] Desculpa. Eu nem sei mais do que estou falando mais.”

Isto leva à minha outra pergunta. Você tem uma fanbase tão grande, em especial garotas adolescentes. O que te fascina sobre estas garotas adolescentes hoje em dia? 

“Aqueles paus e mais paus de selfie. Eu acho hilário. E o Instagram. Eu nunca entendi direito aquilo. Eu ainda não entendo. E não sou muito bom nisso. Acho que não sou bom em mais uma coisa.”

Se uma garota diz, pizza é “mozão”( do inglês “bae”). Você entenderia?

“Sim, eu sei o que é mozão. Eu aprendi isso alguns anos atrás. Eu fiquei tipo: Mas que diabos, você tá tentando dizer? É tipo ‘amo/mor’? É tipo amor, mas ‘mor/mozão’ Sem o final. É mais fácil de dizer, ok.”

Demanda mais energia pra terminar a palavra.

“Isso mesmo, as garotas não terminam as palavras. Tipo ‘incríve’ (amaze, de amazing, incrível em inglês). Vamos conversar um pouco, eu tenho certeza que vou pensar em algo.”

E sobre “Eu nem”  (do inglês “I can’t even”) Eu nem o QUÊ?!

“Ah, eu nem. ‘É, eu nem com eu nem.'”

Trocando de assunto, preciso te perguntar sobre Lady Gaga.

“Estou tão empolgado em trabalhar com ela e ver ela na série!”

Você se lembra quando foi a primeira vez que ela apareceu?

“Eu lembro quando o vídeo saiu. Foi muito legal, eu realmente gostei!”

Qual? Da primeira música?

“Não, eu estou me referindo ao vídeo de ‘Hotel’. Primeiro de tudo, eu não sabia o nome da quinta temporada e segundo, eu nem sabia que a Lady Gaga estaria nele. Então eu pensei: ‘isso é foda!'”

Você acha que irão cantar juntos?

“Não haverá cantoria este ano. Ryan foi bastante claro sobre isso. Sem canto. Ele sempre está trocando as coisas.  Então só sera ela lá atuando. Será brilhante!”

Você se refere a ela como Lady Gaga? Senhorita. Gaga? Ou Stefanie? 

“Tudo isso! Depende da situação. Na verdade, eu realmente acho que seria legal chama-la de Stefanie, seu primeiro nome. Ou Gags. (Se pronuncia Gahgz.)”

Como as garotas adolescentes fariam. 

“Haha, sim. Vou sair com a Gags pelo set.”

Tradução e adaptação por Marianna Marcinichen Garcia

'