Ryan Murphy revela spoilers do primeiro episódio

Mais de 300 anos se passaram desde a era das bruxas de Salém, quando elas se deslocaram para Nova Orleans. Agora elas estão á beira da extinção. Os ataques decorrentes contra bruxas de seu clã tem feito as garotas serem mandadas á uma escola especial onde aprendem a se defender. A ação começa quando a virgem Zoe (Taissa Farmiga) tenta fazer amor com seu namorado e ele morre de aneurisma cerebral. Os pais de Zoe percebem que ela herdou o “gene bruxo” de sua avó, então mandam-na para a Academia Miss Robichaux para garotas excepcionais. Enquanto Zoe está na escola, a á muito tempo ausente Suprema (Jessica Lange) volta para a cidade, determinada a proteger o Clã e a encontrar um tratamento de rejuvenescimento para si. Ryan Murphy respondeu algumas perguntas sobre a terceira reencarnação de American Horror Story. Aqui está o que ele revelou:

Jessica Lange sempre foi pensada para interpretar a Suprema?

Murphy: Foi para isso que eu a chamei. Todo o ano eu chamo Jessica e Sarah e digo, “É sobre isso que estou pensando. É nisso que estou interessado. Essa é quem eu acho que você vai interpretar,” então sempre há a opção “Sim, eu quero voltar” ou “Não quero”. Jessica adorou o fato de ela ter que usar sapato de salto alto e maquiagem nessa temporada depois de tudo o que ela passou ano passado. É algo diferente pra ela como uma atriz dramática, que não teve muitas oportunidades de fazer coisas relacionadas á comédia. A parte dela com Kathy Bates, em particular, é engraçada, então ela estava muito ansiosa para fazer isso.

Você pode falar um pouco sobre a relação entre Kathy e Jessica no episódio 2?

Murphy: Jessica, a Suprema, trás Kathy Bates de volta. Mesmo com Jessica sendo a mulher mais poderosa do mundo, ela está envelhecendo e não quer morrer, mas sim quer viver parar sempre. Ela fica sabendo que Kathy Bates têm algo que vai deixa-la viva para sempre. Então ela está tentando pegar isso, capturando Kathy Bates por um resgate. Jessica começa a descobrir os horrores de Madame Delphine LaLaurie, que foi uma mulher que fez tudo o que mostramos na série e muito pior. Diante disso ela faz Kathy Bates ser a escrava pessoal de Gabourey Sidibe como troco. Em meio á essa relação Kathy Bates tem uma temporada inteira cheia de culpa e remorso, finalmente entendendo a gravidade do que fez. É também uma reflexão sobre as relações raciais nesse país. É uma verdadeira alegoria para qualquer grupo minoritário dos Estados Unidos.

Nós vemos a personagem de Kathy Bates no presente, então veremos Angela Bassett no presente também?

Murphy: No segundo episódio, Jessica descobre Marie Laveau, que foi uma pessoa real que lançou um feitiço em Kathy Bates. Marie comanda um salão de beleza chamado “Corn Row City”, onde ela se esconde. Jessica a encontra e diz “Eu quero a coisa da vida eterna” e Marie fala “Bem, você me devolve Kathy Bates. Eu sei que você a pegou. Aí começa a guerra.

Quem vai representar o mal nessa temporada?

Murphy: Existem dois vilões principais: o Minotauro e o Homem do Machado, que são duas criaturas mitológicas.

O que você pode dizer sobre a personagem de Sarah Paulson? O arco dessa temporada está fazendo ela aceitar sua bruxa interior?

Murphy: Sim. Sempre fui fascinado com a série “Bewitched”. Eu sempre me perguntei o que aconteceria se Samantha escutasse Endora e ficasse louca. Cordelia é bem formal e regrada no início mas algo acontece com sua personagem no episódio 5 que a faz pensar “Talvez minha mãe esteja certa”. Onde Sarah começa e onde termina é realmente o oposto de quem ela era no primeiro episódio.

Qual é o papel de Evan Peters esse ano?

Murphy: A história dele se concentra no episódio 2. Eu adoro isso porque sou obcecado com qualquer coisa meio Mary Shelley, então há algo que também usamos: Frankenstein. Taissa está apaixonada pelo personagem de Evan. Ela e Madison descobrem que ele e seus amigos da fraternidade foram mutilados e decapitados. Taissa decide construir seu namorado perfeito. Ela pega a cabeça de Evan e outras partes que ela escolheu e cria essa coisa. Elas usam um feitiço que o trás de volta a vida… ou não. Claro que ela nunca poderá estar com ela intimamente pois ela o mataria.

Como foi que vocês decidiram os poderes das garotas?

Murphy: Pensamos muito sobre isso. Também pesquisamos bastante sobre as bruxas de Salém e alguns dos poderes delas naquela época. Eu adoro a habilidade de ler mentes. Temos muitos flashbacks de Salém então essas garotas de agora podem aprender sobre seus ancestrais. Mais bruxas estão chegando com poderes diferentes. Está claro que o grande mistério da temporada é qual dessas pessoas será a nova Suprema. Qual delas irá ficar com o trono de Jessica Lange? Não descobriremos isso até o episódio 12. Jessica mata uma das garotas no episódio 3. Ela não está desistindo.

Se Marie Laveau ainda está viva e Jessica parece ser capaz de ferrar com a vida das pessoas, quanto tempo essas bruxas realmente vivem?

Murphy: Mesmo no caso de Marie Laveau temos um enredo num cemitério de Nova Orleans, onde as pessoas vão e desenham cruzes. Na mitologia, ela nunca morreu, mas sim colocou outro corpo em seu lugar. A ideia na série é a que Marie Laveau aperfeiçoou a ideia de vida eterna, o que muitas pessoas afirmam que ela tenha feito e também afirmam vê-la andando pelas ruas de Nova Orleans mesmo após a sua morte. As bruxas de Salém não são imortais. Não encontraram o ingrediente da vida eterna. Essa é a única coisa que impede Jessica Lange de viver para sempre e vencer todas as outras bruxas. Esse é o grande centro do enredo. Nós lidamos com a ideia de poder feminino e poder sexual na nossa cultura, e a ideia de mulheres de uma certa idade que são tristemente afastadas das mais novas. Muito disso veio de várias conversas que tive com Jessica. Ela tem estado nesse meio por um longo tempo e percebe como os negócios tratam as mulheres. Há muita coisa nessa história que a interessou como atriz.

Fonte: http://xfinity.comcast.net/blogs/tv/2013/10/08/past-haunts-bewitching-new-season-of-american-horror-story/